ff



Uma homenagem ao maior jornalista e blogueiro de Tapera.
quarta-feira, 3 de dezembro de 2008
A VERDADE SOBRE O FORNO A LENHA

Como somos leitores assíduos do teu Blog http://www.tapera.net/leonardo/, achei interessante a opção do Internauta Editor. Interatividade, no que tange à Blogosfera, é um grande progresso em termos de dinâmica de conteúdo.
Bem, estou te repassando um alerta interessante que talvez possa gerar conteúdo.
Fica aí a sugestão.
Um grande abraço!
Marcelo Soriano http://www.soriano.eng.br/blog/

Postado por Leonardo Mayer as 3.12.08 e tem 12 comentarios
12 Comments:
Blogger Leonardo Mayer disse...

A Verdade sobre o forno-a-lenha

No mundo contemporâneo, já não se pode mais aceitar certa forma de assar alimentos e, na verdade, dever-se-ia boicotar o pãozinho, a pizza e demais iguarias, preparadas em forno a lenha.
É fato corriqueiro, principalmente em pizzarias, deparar-se com a seguinte frase: “Temos Forno A Lenha!”, grafada de maneira generosa em frente aos estabelecimentos comerciais desta natureza.
Tal atitude demonstra claramente que essa casa comercial está preocupada apenas em atrair clientes, sem efetivamente nada contribuir para a preservação da natureza.
Como respaldo ao que foi exposto, hoje, já existe, no mercado, uma alternativa energética para fornos ecologicamente corretos denominado “Briquete”. Este é, simplesmente, o resultado do processo de secar e prensar a serragem ou pó dos mais diversos tipos de madeira. O produto apresenta um alto poder calorífico, tornando-o ideal para a utilização tanto das caldeiras industriais, fornos de padarias, lareiras, cerâmicas, pizzarias como de outros utensílios dessa ordem.
O Briquete pode ser considerado uma lenha ecológica e substitui, com muita eficiência, não só o óleo bpf das caldeiras industriais, mas também a energia elétrica e os gases, utilizados em qualquer tipo de aquecimento nas residências.
Toda e qualquer sobra de madeira e, até mesmo, o pó que antes era jogado ao relento, agora podem ser transformados em Briquete. Portanto, o que iria tornar-se lixo, passaria a ser reaproveitado para a produção energética.
Por isso, engajar-se à proposta, entrar nessa luta e dizer não ao forno a lenha, é uma maneira inteligente de estar forçando a pizzaria e a padaria da esquina a não estimular a retirada de lenha dos matos, prática danosa que gera a destruição do habitat de tantas espécies da fauna e da flora silvestres que hoje figuram na lista vermelha das espécies em extinção e que, certamente, os nossos filhos e netos jamais terão a oportunidade de um dia conhecer.

Contribuição: Alexandre Soriano Caetano – Médico Veterinário
CI: 6029099287 Fone: 3025-6084

3 de dezembro de 2008 14:16  
Anonymous Anônimo disse...

Menos, né?
Terrorismo e boicote não vão ajudar em nada a conscientização. Deve-se criticar mas criar atritos que só firmam posições e geram paixões só atrapalham.
A verdade está na cabeça de cada um. Deve-se convencer por exemplos e palavras, não com violência.
Obrigada ao Alexandre pela dica do Briquete, mas sugerir boicote para quem não contribua com o meio-ambiente me parece gol contra. Minha opinião.
Paz e saúde para todos.

3 de dezembro de 2008 17:59  
Blogger Marcelocêntrico disse...

Particularmente, quando sugeri a publicação deste manifesto do Médico Veterinário Alexandre Caetano, esperava algumas reações contrárias à questão do boicote.

Num primeiro momento, a palavra boicote parece sim um tanto fundamentalista, eu disse "parece", pois todas essas ações e discussões públicas sobre Responsabilidade Social, Danos ao meio ambiente devido à ganância e fome de lucro a qualquer custo, etc, sensibilizam a sociedade e chamam os consumidores à reflexão e a assumirem uma postura firme e efetiva em relação a estas culturas nocivas ao meio ambiente estabelecidas e mantidas, até hoje, pela falta de informação e descaso. Boicote sim! Àqueles que exploram, sugam, depredam direta ou indiretamente as riquesas naturais e que são vitais para as futuras gerações. O consumismo inevitavelmente deverá ser substituído, de forma voluntária e refletida, pelo CONSUMO CONSCIENTE. E isso irá resultar, felizmente para o mundo e infelizmente para os financiadores e colaboradores das devastações, desmatamentos e queimadas, em prejuízos irreversíveis. Para finalizar, quanto à conotação de "violência", como o amigo Anônimo logo acima expressou, acharia interessante que refaça a leitura do conteúdo, pois, ao meu ver, este tipo de apologia não faz parte da mensagem.
---
Um abraço a todos os que passam os olhos por aqui!

Marcelo Soriano - Santa Maria - RS

6 de dezembro de 2008 11:53  
Anonymous Anônimo disse...

O boicote e incriminação inclui as casas de família que usam fogão a lenha e lareiras?

Garanto que o consumo de lenha nas residências ultrapassa em muito o consumo do comércio.

O Sr. Marcelo certamente tambem não visita e portanto boicota aqueles que exploram, sugam, depredam direta ou indiretamente as riquesas naturais e que são vitais para as futuras gerações.

Por que acusar apenas o comércio e não todos os indivíduos que fazem exatamente a mesma coisa?

Afinal, inúmeras famílias tambem são financiadores e colaboradores das devastações, desmatamentos e queimadas, em prejuízos irreversíveis.

Ou estou errado?

7 de dezembro de 2008 18:21  
Blogger Marcelocêntrico disse...

Muito bom, Anônimo!
Mas, a meu ver ESTÁS ERRADO.

O "alvo" são as empresas que lucram sugando os valores da natureza sem a menor preocupação em repor ou garantir a preservação do meio ambiente. Bem sabemos que há técnicas, métodos, alternativas inteligentes para continuarmos com nossos usos e costumes sem promover danos ou impactos de devastação.
Se você é uma destas pessoas que lucram e mantêm um padrão de vida em cima da exploração cega dos recursos naturais e sentiu-se ofendida com este alerta, ainda há tempo de mudar e inovar, transformando a sua situação incômoda em uma postura vencedora, empreendedora e com grande diferencial competitivo.

A questão é que os consumidores, a cada dia que passa, estão ficando mais atentos a este tipo de comportamento e prática exploratória. É simples! Basta optar por estabelecimentos que adotam o briquete, por exemplo.

Agora, se você é apenas um consumidor cidadão, o poder está em suas mãos e o poder é a decisão, a escolha. Opte por marcas e produtos que colaborem e atuem em favor da natureza e da vida. Se precisa de lenha para o seu fogão ou lareira, compre-a de uma empresa que promova o replantio e respeite efetivamente os recursos naturais. O mesmo no que se refere ao carvão e outros produtos do gênero. Aí estão as Normas Internacionais de Qualidade Ambiental (as ISO 14.000). Vale a pena estudar e informar-se um pouco mais.

Ferramentas e soluções existem e estão ao alcance das empresas, as quais farão uso e adotarão práticas conscientes a medida que o consumidor for se tornando mais seletivo e que a sociedade for estabelecendo suas condições e premissas vitais do consumo consciente.

8 de dezembro de 2008 21:39  
Anonymous Anônimo disse...

O teu alvo talvez. O meu é mais abrangente. Errado é só quem visa lucro? Um pouco ideológico demais para o meu gosto. Mas tudo bem. Esclareço que não sou comerciante usuário de lenha, nem tenho fogão a lenha. Achei apenas teu discurso muito dirigido contra o lucro empresarial e senti vontade de balancear um pouco as coisas. Não acredito que politizar um assunto tão importante como a defesa da natureza leve a um resultado positivo.
Parabens e obrigado pelas informações.

8 de dezembro de 2008 23:13  
Anonymous Rafael Coelho disse...

Sr. Leonardo depois desse meu comentario gostaria de saber qual é a sua profissão?
Bom a lenha utilizada nos fornos alenha de padarias, pizzaria e outros seguimentos alimenticios, são cultivados centenas e milhares de EUCALIPITO... até as olarias "fabricas de tijolos" tambem ultilizão desta fonte de energia...

Qual é mesmo a sua profissão!!!

19 de janeiro de 2009 10:18  
Anonymous Juliano disse...

Em defesa da lenha.

A grande maioria da lenha utilizada hoje vem de áreas plantadas visando essa finalidade. O eucalipto é o mais utilizado, e aqui no sul, também a bracatinga. Então, não faz sentido falar em boicotar estabelecimentos que utilizam essa bioenergia, de produção sustentável e ecologicamente correta.

23 de janeiro de 2009 02:40  
Anonymous Anônimo disse...

Parabéns. Tirando os exageros cometidos no calor da discussão, a utilização de lenha ecológica permite diversos ganhos. Tanto econômicos, quanto ecológicos. Divulgar e incentivar o consumo é muito importante.

24 de fevereiro de 2009 08:51  
Blogger Ibrahim Tauil disse...

Sou a favor de leis que proíbam a instalação de fornos à lenha e que obriguem a sua substituiçào por energia elétrica(em que pese também ter um passivo).O briquete também despeja o gás na atmosfera. A utilização da madeira acaba agredindo nas duas pontas, no desmatamento e na emissão de carbono.

18 de abril de 2009 15:19  
Anonymous Anônimo disse...

Caro amigo leonardo.
Caso o Sr. não saiba, as pizzarias e as padarias sérias usam lenha de eucalipto que é plantado para este fim.Parar de comer pizza e pão por causa da fauna e flora é besteira. Alem do mais, pelo menos aqui em SP, os comerciantes pagam uma taxa anual de reflorestamento, se esse dinheiro é bem empregado, não sei. E os briqueteas servem apenas para caldeira, para pizza e pão não serve, pois contem cola, pouco mas contem

GRATO
SERGIO - SP

11 de maio de 2009 19:30  
Anonymous Sidinei disse...

Gostaria apenas de reforçar o que um colega já disse acima em relação ao foco na obtenção de lucro, afinal, acredito que a maioria de vcs, sejam empresários, comerciantes ou até mesmo assalariados, visam lucro, ou seu salário não é lucro pra vc? então não há nada de errado em obter lucro, correto? se tiver, seu discurso deve ser contra o capitalismo e não contra o desmatamento ou outro crime ambiental.
E quanto à questão da lenha, todos sabemos (pelo menos os que pensam um pouco) que a grande maioria da lenha queimada em fornos vem de reflorestamento.
Neste ponto gostaria de ir além: se o colega é assim tão extremo na defesa do meio ambiente, acredito que não tenhas em casa nenhum móvel de madeira, correto? e que também não imprime ou não usa papel, correto? ou ainda não utiliza uma infinidade de produtos da vida moderna advindos de matéria-prima da natureza, correto?
Deixo claro que não sou contra, em hipótese alguma, a busca pela sustentabilidade, tanto que para a casa que estou projetando pedi ao arquiteto que considere estas questões, incluindo aí reuso de águas, energia alternativa, luminosidade natural, e etc, porém, este extremismo soa para mim como discurso hipócrita e, penso eu, este tipo de discurso não leva a grandes resultados.
Enfim, temos que nos preocupar com a questão de responsabilidade sócio ambiental, porém, temos que focar nas questões corretas e ter "sustentabilidade" nos argumentos.

30 de setembro de 2009 22:50  

Postar um comentário

Voltar ao blog



Posts mais recentes Posts mais antigos

 
Google
 


   

 



Últimos Posts

NOMENCLATURA DE LOGRADOUROS PÚBLICOS
POVO SEM MEMÓRIA - Por João Pedro Flach
CENTRO VIRA LAGOA
ASSALTO AO POSTO PETROPAMPA
O INTERNAUTA VIRANDO EDITOR DO BLOG
TURNO ÚNICO - VANTAGENS E DESVANTAGENS
VEM AI UMA NOVA SERENATA DE REIS!
PAPAI NOEL CHEGOU SEM CHUVA
Alguém me pergunta nos comentários "o que eu penso...
IMPRESSIONA A ADESÃO DO TAPERENSE EM FAVOR DE SANT...

Arquivos

Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Novembro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013

 

 

 



WM INTERNET